Como devo comungar

O Caminho da cruz
10 de maio de 2019
A devoção ao Sagrado Coração de Jesus
24 de maio de 2019

Como devo comungar

 

Por Pe. Fr. Marcelo Aquino, O. Carm.

 

O ato de ir à mesa da comunhão receber o santíssimo Corpo e Sangue Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo é um ato que pode ter dois lados. O apostolo dos gentios nos ensina que quem comunga sem discernir, comunga a própria condenação.

São Tomás de Aquino nos diz que o corpo sacrossanto do Senhor trás vida e morte. Mas como entender isso? Ao afirmar que o santíssimo corpo de Nosso Senhor pode nos dá a vida e pode também nos dá a morte, na medida em que estamos em estado de graça comungar nos faz um bem grandioso, mas se não, nos faz também um mal grandioso.

Portanto, se faz necessário orientar os fiéis como devemos nos preparar para poder participar do corpo de Cristo. A primeira e mais importante orientação, sem desprezar as seguintes, é que o fiel católico deve procurar o sacramento da confissão mais vezes durante o ano.

Muitas almas se perdem por acreditar que basta confessar-se antes da páscoa, mas a orientação da Igreja sobre isso nos diz que, Que devemos nos confessar PELO menos pela páscoa da ressurreição, o substantivo pelo menos, não significa somente, como a grande maioria das pessoas tem interpretado, mas essa interpretação também é usada ao bel prazer do fiel, por exemplo, a doutrina da Igreja nos ensina também, que devemos comungar Pelo menos pela páscoa da ressurreição, e aqui a minha pergunta, por que será que essa ultima orientação não é interpretada como a primeira? Ou seja, todos os dias do ano as pessoas comungam, aquelas que frequentam a missa diária, ou aquelas que vão aos domingos.

Tendo tomada a consciência da importância da confissão, passamos agora para as outras orientações também importantes e pertinentes, na vida espiritual dos fiéis católicos.

O mesmo pão que alimenta nosso espírito de saciedade de Deus pode de acordo com a nossa má conduta, nos esvaziar de Deus, pois depende de nossa disposição para poder oferecer seus efeitos mais eficazes para nossa alma, a graça bem faceja, pode nos conceder inúmeros benefícios, mas isso depende de nossa abertura para Deus, quando não nos esforçamos para preparar nosso coração para receber tão ilustre hospede, nos sentenciamos de uma grande condenação.

Portanto, não estando em estado de graça, não se aproxime nem do altar, busque o remédio da alma e se prepare para receber o santíssimo sacramento do altar, sem a devida preparação, é prejuízo receber o corpo de Cristo.

A oração pessoal é de grande valia para os fieis que comungam, ela deve ser mais presente na vida espiritual, é salutar que os católicos rezem o terço todos os dias, que façam alguma leitura espiritual dos escritos dos santos, que procurem fazer sempre algum tipo de penitência, que realizem obras de misericórdia, como visitar os doente e visitar o cemitério para rezar pelas almas do purgatório, também é de salutar importância, mandar celebrar missas em sufrágio das almas do purgatório.

Aos comungantes deve ser constante o esforço em nutrir amor a Deus, a Igreja e ao Santo padre, o papa. Esses três amores, nos abrem aos outros amores que devemos ter sobretudo a Nossa Senhora e aos irmãos. Se esforçar para ser amoroso com as pessoas é tentar demonstrar o amor de Deus que cada um de nós recebeu.

Também é importante no exercício da vida espiritual, fazer doações de terços para quem não tem, e ensinar quem deseja aprender a rezar, todas essas ações nos preparam para participar dignamente da comunhão.

Na Igreja se faz necessário, ter bastante contenção de espirito, o que vem a ser isso, bastante concentração, o ideal é está o mais próximo do altar possível, para que outras coisas ao redor não tomem nossa atenção. Na hora do pai nosso, o ideal é não dar as mãos, mas rezar contritamente de mãos postas, fazer alguns momentos de adoração durante a missa, passar mais tempo de joelhos.

Para quem tem problema com a concentração, o ideal é rezar sempre de joelhos, o está de joelhos é gesto de piedade e submissão a Deus, estamos dizendo com aquele gesto, eu me submeto a Deus em tudo, lembre-se do sacrifício de Abraão, ele não excitou em oferecer o próprio filho em sacrifício, porque foi Deus quem pediu, na verdade Deus pediu para ver o que ele seria capaz de fazer, é tanto que Deus não deixou consumir o sacrifício, mas ofereceu uma ovelha no lugar de seu filho.

Ao pensarmos nestas coisas, estamos caminhando para uma mais devota e contrita comunhão. Ao chegar o momento ápice da santa Missa, antes de ir à fila da comunhão, mais uma vez peça perdão de seus pecados, e até das distrações ocorridas, durante a santa Missa.

Chegando seu momento, receba a comunhão diretamente na boca, e se possível de joelhos. Tudo isso para manifestar nossa compreensão do sagrado, a realeza de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Mesmo depois da comunhão, ainda precisamos fazer atos de piedade cristã, a nossa ação de graças por participar deste momento único na nossa vida, receber o sacrossanto corpo de Nosso Senhor, é uma dádiva dos céus, corpo e sangue do Senhor nos alimentam e sustentam no caminho do céu.

Se Elias se sentiu revigorado depois de comer pão e beber água e se pôs a caminho na luta em favor de Deus, muito mais nos fortalece o pão dos céus, a verdadeira comida e verdadeira bebida.

Comungar é tão celestial, que devíamos voltar para casa saltitando de alegria por ter tido esse encontro íntimo com o Senhor na Santa Missa.

 

4 Comentários

  1. Monaliza Gomes disse:

    Conteúdo rico e que auxilia muito na Fé e vivência do Sacramento. ❤️

  2. Salete P. S. Santana disse:

    Muito bom todos esses ensinamentos!

  3. Salete P. S. Santana disse:

    Muitas vezes pensamos que estamos bem preparados para comungar o Sagrado Corpo e Sangue do Senhor, mas não estamos bem não!
    Muito, muito bom os ensinamentos que Frei Marcelo Aquino nos dá!

  4. CLAUDIANA disse:

    Que Deus abençoe este apostolado hoje e sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *