Bispo mexicano relembra que os fiéis não podem receber a Comunhão na mão

A busca da formação e da sabedoria
29 de agosto de 2019
A Fé Explicada
3 de setembro de 2019

948996

 

Bispo mexicano relembra que os fiéis não podem receber a Comunhão na mão

 

Mons. Gustavo Rodríguez Vega, Bispo da diocese de Yucatán (México), veio publicamente explicar que no México nunca foi pedido o indulto para que a Sagrada Comunhão possa ser recebida na mão; e portanto, deve ser obrigatoriamente recebida na boca. Eis o comunicado do Prelado mexicano:

 

«A Santa Sé a partir de 1969, embora mantenha em vigor para toda a Igreja a maneira tradicional de distribuir a Comunhão, concorda que as Conferências Episcopais que o solicitam e, em certas condições, possam distribuir a Comunhão colocando a Hóstia na mão dos fiéis. Essa faculdade é regulamentada pelas Instruções Memoriale Domini (29 de Maio de 1968) e Immensae caritatis(29 de Janeiro de 1973), bem como pelo Ritual de Santa Comunhão e Culto Eucarístico Fora da Missa (21 de Junho de 1973), que diz:

 

“Ao distribuir a Sagrada Comunhão, mantenha-se o costume de depositar a partícula do Pão consagrado na língua dos que recebem a Comunhão, que se baseia no modo tradicional de muitos séculos” (n. 21).

 

A Conferência Episcopal Mexicana, até o momento, NÃO SOLICITOU e, portanto, NÃO OBTEVE da Santa Sé tal faculdade, o que significa que a regra de distribuir (unicamente) a Comunhão na boca a quem se aproxima para comungar continua em vigor.»

 

 

 

fonte:

http://senzapagare.blogspot.com/

2 Comentários

  1. Eliane Ribeiro disse:

    Que maravilhoso seria se todo o clero pensasse e fizesse assim.

  2. Larissa disse:

    Graças a DEUS que um Bispo lembrou isso é veio dar este belíssimo lembrete a muitos que nem sabem QUEM recebem..
    Hoje há necessidade de uma verdadeira e sólida catequese,preparo exigente dos Catequistas, sem isso,nâo se obtém bons católicos firmes em sua fé.
    Vamos suplicar a DEUS que mais Bispos pelo mundo possam dizer com coragem e zelo,o mesmo e alertarem contra o relaxamento e relativismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *