A importância dos símbolos

Missa, Exorcismo e Sacramentos em Latim esmagam a cabeça do Diabo
22 de agosto de 2019
Bento XVI responde a crítica a sua reflexão sobre crise da Igreja
27 de agosto de 2019

 

A importância dos símbolos

 

Por Pe. Fr. Marcelo Aquino, O. Carm.

 

O símbolo é um instrumento não meramente ilustrativo, mas ele tem uma missão: transmitir uma mensagem. A Igreja Católica muito sabiamente sabendo disso usou deles para fazer a mensagem do santo Evangelho chegar a um número cada vez maior de pessoas e a ordem de Nosso Senhor se cumprisse com destreza, “Ide por todo o mundo a todos pregai o Evangelho”. (Mc 16, 15).

O emprego dos símbolos é uma forma fascinante de fazer as pessoas aguçarem uma coisa em sua vida intelectual que é a imaginação, e como isso se dá? A pessoa observa uma determinada imagem e a imagem leva a pessoa a se questionar sobre aquilo, exemplo: quando um católico observa um sacerdote usando um barrete, a sua primeira intenção é saber o que significa aquele “chapéu”? Daí ela pode percorrer dois caminhos: ou pesquisa na internet ou alguns livros, ou pergunta ao sacerdote. O barrete é o chapéu que mostra o poder de jurisdição do sacerdote, ele o usa como juiz de Deus, sobretudo quando atende confissões, o barrete tem quatro pontas para lembrar que o ministro sagrado tem de pregar o santo Evangelho aos quatro cantos do mundo, ele tem três abas para lembra as três pessoas da santíssima Trindade, o sacerdote pega sempre na aba do meio para lembrar a segunda pessoa da santíssima Trindade.

Portanto, os símbolos têm uma missão importante na Igreja, sabemos que nos séculos passados eram muito pouco as pessoas alfabetizadas, e com isso era difícil o emprego da leitura, e para resolver esse problema a Igreja ensinou a ornar as igrejas com vitrais, o que eles fazem? Trazem passagens da Sagrada Escrituras e reproduzem imagens das verdades da fé, como os dogmas.

Mas o emprego dos símbolos não para por aí, mas segue adiante, pois, cada coisa usada na igreja, tem seu valor e seu objetivo, e o objetivo principal de todo símbolo na igreja, é lavar-nos a Deus.

São João Maria Vianney nos diz, “Quando virdes um sacerdote, lembrai de Nosso Senhor”, mas para podermos elevar a nossa mente a Nosso Senhor ao encontrar um sacerdote é preciso que ele esteja usando sua batina, hábito talar, pois, de outra forma não saberá que se trata de um ministro sagrado.

Mas para que um sacerdote usa uma batina preta? A batina preta é um grito do sacerdote ao mundo dizendo, eu estou de luto para o mundo, eu sou um homem morto para o mundo, na verdade, é Nosso Senhor dizendo: eu estou morto para o mundo, o mundo me rejeita, mesmo sabendo que eu dei a vida pelo mundo. A batina deve ser usada para distinguir o sacerdote dos demais homens do mundo, pois, ele foi tirado do meio do povo para oferecer dádivas a Deus.

A mitra dos bispos, ela tem também seu significado, primeiro é o chapéu da verdade, para que todos os que odeiam a verdade sejam aterrorizados por ele, a mitra traz na parte de trás duas pontas (ínfulas) que ficam nas costas de quem a usa, aquilo significa o Novo e o Antigo testamente, pois, o bispo prega toda a verdade de Deus e não somente uma parte, na prática, as mitras deveriam todas ser brancas, para simbolizar Cristo Ressuscitado, mas nas ordenações o bispo deve usar dourada para transmitir a realeza do sacerdócio.

Os três degraus do altar também é uma referência as três pessoas da Santíssima Trindade, porém, o altar pode ter sete degraus em referência aos sete dons do Espirito Santo e uma dupla significação: ao mesmo tempo, cabe os três degraus a Santíssima Trindade e os quatro restantes as quatro virtudes cardeais, que são: prudência, justiça, fortaleza e temperança.

Antigamente as igrejas eram construídas assim com uma torre para distinguir a Matriz das capelas, a Matriz sempre tinha duas torres. Ao entrar na igreja o fiel se deparava com a pia batismal, pois, o batismo é a porta de entrada na vida católica, e a cerimônia do batismo começava na porta da igreja e terminava no altar onde está o Cristo Vivo para sempre.

Acima da porta das igrejas, especificamente a porta principal tinha sempre uma rosácea, que é um vitral redondo, ele servia para projetar no altar a luz do sol, fazendo o povo lembrar do Sol da justiça que é Nosso Senhor Jesus Cristo. Além disso, as igrejas eram construídas sempre de frente para o oriente, pois, como nos diz a Sagrada Escritura é do oriente que virá o Senhor.

O emprego dos símbolos é de salutar importância mesmo quando a pessoa sabe ler e escrever, pois, não é o fato de saber ler e escrever que significa que a pessoa sabe refletir, infelizmente a educação que temos não nos dar esse privilégio a todos, alguns sim outros não, às vezes por sermos pusilânime e não nos esforçamos para avançar no conhecimento e com isso ficamos privados do avanço no conhecimento e às vezes por nos entregarmos as frivolidades da vida e deixamos os bens do intelecto solto e dispersos na nossa vida, não descobrimos ainda o valor da leitura para o nosso crescimento.

1 Comentário

  1. Deyse disse:

    Excelente texto! A Santa Igreja é um Tesouro infinito. Sempre nos mostrando o caminho para o Céu, o caminho para Deus!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *