A devoção ao Sagrado Coração de Jesus

Como devo comungar
11 de maio de 2019
A visitação de Maria Santíssima
31 de maio de 2019

 

A devoção ao Sagrado Coração de Jesus

 

Por Pe. frei Marcelo Aquino, O.Carm.

 

Entre o universo das devoções católicas uma se sobressai, a devoção ao Sagrado Coração de Jesus, tida por muitos por moderna por causa das revelações a santa Margarida Maria Alacoque no século XVII, o que não marca o inicio da devoção, pois ela é muito mais antiga.

Ao longo da história da Igreja percebemos vários santos anteriores a Santa Margarida que nutriam uma especial devoção ao Coração de Jesus, como é o caso de Santa Maria Madalena de Pazzi.

Na verdade, a devoção ao Santíssimo Coração de Jesus nasce no momento em que o soldado abre o lado de Cristo com a lança e faz jorrar sangue e água, o soldado que tinha cegueira em uma das vistas recebe a cura ao ter contato com a água benfazeja que caiu sobre seus olhos Seguramente aquele miraculado deve ter começado a propagar a devoção.

A verdade é que desde os primórdios, a Igreja nutriu amor especial ao Coração de Jesus, por ser a fonte do amor da Igreja. Seu divino fundador, amou de tal modo a Igreja que deu a vida por ela. Não há maior amor do que aquele que dá a vida pelos amigos (Jo 15, 13).

Compreendendo isso, é preciso saber quais as obrigações o devoto do Coração de Jesus deve seguir, pois, toda devoção tem suas obrigações e com o Sagrado Coração de Jesus não é diferente.

A oração pelos sacerdotes é imprescindível, pois eles são os canais por onde nos chegam à graça da vida sobrenatural, a Santíssima Eucaristia, este motivo deve ser o suficiente para alimentarmos o costume de rezar sempre por quem nos traz Jesus nas aparências do pão e do vinho.

Pelas mãos dos sacerdotes, Deus realiza grandes obras, muitas vezes de forma invisível aos nossos olhos. Grandes obras que produzem um efeito gigantesco nas almas dos fiéis, tanto vivos como os já falecidos que formam a Igreja padecente.

Todo membro do Apostolado da Oração, por exemplo, deve fazer jejum de carne todas às sextas feiras do ano, exceto aqueles que já alcançaram os sessenta e cinco anos.

É de salutar importância que todos os devotos do Coração de Jesus tenham consciência da necessidade de confessarem-se mais vezes ao ano, também da obrigação de ter parte nas solenidades da Igreja, especialmente Páscoa, Natal, Imaculada Conceição, Santíssimo Corpo e sangue de Cristo- Corpus Christi.

Outra obrigação muitas vezes esquecida por muitos é a modéstia no vestir, que, independentemente da idade, seja jovem, adulto ou idoso, deve ser cumprida, pois nosso corpo é templo do Espírito Santo e, portanto, devemos protegê-lo e também proteger as pessoas de pecarem por nossa causa.

A devoção ao Coração de Jesus naturalmente nos impele a devoção a Santíssima Virgem, pois, onde está Jesus aí está Maria Santíssima, como onde está Cristo Jesus, aí está a Igreja Católica, como já nos dizia santo Inácio de Antioquia.

O amor ao Coração de Jesus deve ser manifestado no amor ao Santíssimo Sacramento, buscando sempre ter em mente que se trata do amor a Deus que é Jesus na Eucaristia. Por isso se requer boa preparação para receber Jesus na santa Missa. Cada gesto de amor ao Santíssimo Sacramento vai aos poucos colocando-nos, nas estradas que o católico deve seguir que é a do amar as pessoas, especialmente as mais necessitadas que consiste em procurar, com nossas possibilidades, realizar obras de caridade que ajudem a diminuir o sofrimento humano.

A Igreja sabiamente nos chama para uscar na fonte do amor que é o Coração de Jesus, aquilo que precisamos para ordenar nossas vidas para Cristo.

Se me amais conhecereis meus mandamentos e conhecer não é apenas tomar conhecimento, é também entrar em sintonia com o que é pedido, atender ao pedido de Maria Santíssima, fazei tudo o que ele vos disser. (Jo 2,5).

Assim chegamos ao conhecimento da verdade, amando a Cristo naturalmente amaremos nossos irmãos e seremos nEle uma nova criatura.

O Coração de Jesus revelou a Santa Margarida Maria que muitas coisas se pode alcançar por meio da vivência do amor ao seu coração. Aos sacerdotes foi prometido: “darei a graça de converter os corações endurecidos, a os que propagarem a minha devoção terão os nomes gravados em seu Santíssimo Coração, e este nome não será mais apagados”.

 

 

 

 

 

 

 

1 Comentário

  1. Salete P. S. Santana disse:

    Gosto muito de ouvir Frei Marcelo Aquino! Ele nos coloca na verdade! Nos mostra com com toda seriedade o caminho que devemos seguir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *